CARREGANDO...

Notícias

“MESTRES DA ARTE E DO ARTESANATO”

Uma das mais antigas artesãs, ainda em atividade, envolvida na produção da da Renda Irlandesa em Divina Pastora e no estado de Sergipe

07/05/2018 às 14:49

História do mestre 

Uma das mais antigas artesãs, ainda em atividade, envolvida na produção da

da Renda Irlandesa em Divina Pastora e no estado de Sergipe, dona Alzira

Alves Santos começou a se envolver no aprendizado da citada renda, por

volta dos seus 10 anos de idade com sua tia, do lado paterno, Ercília Theodo-

ro, mais conhecida por Sinhá, esta, juntamente com suas irmãs Maria Engrá-

cia (Marocas) e Dina S. Costa foram as primeiras, das pessoas simples, a

aprenderem as técnicas do fabuloso artesanato das senhoras da aristocracia

local, possivelmente no início do século XX, época em que, provavelmente, a

Renda Irlandesa foi introduzida no estado de Sergipe.

A rendeira Alzira Alves, sendo de família simples e pobre, sempre teve na

Renda Irlandesa, desde sua juventude, seu meio de subsistência e de sua fa-

mília. Foi dessa necessidade que a fez ser uma mestra no “risco” da renda (a

primeira etapa no processo das peças) que aprendeu com sua tia Sinhá. Da

mesma forma ela se destaca nas outras etapas do fazer a renda, chegando a

ser consultada e procurada por pessoas que querem aprender o artesanato

símbolo do estado de Sergipe. Muitas das rendeiras hoje existentes na cidade

de Divina Pastora passaram pelas instruções de dona Alzira. Foi através da

luta de muitas dessas rendeiras que essa o arte não deixou de existir; organi-

zaram-se em associações e hoje, através da colaboração de órgãos relaciona-

dos à cultura, estudantes, instituições de ensino superior e outros, a Renda

Irlandesa é reconhecida como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Iphan, sendo

incluída no Livro de Registro dos Saberes Nacional, no ano de 2008, e no ano

de 2013 recebeu o Selo de Identificação Geográfica pelo Instituto Nacional

de Propriedade Industrial.

Dona Alzira contribuiu muito e vem contribuindo para que o modo de fazer

da Renda Irlandesa não venha a desaparecer no seio de Divina Pastora, fato

que a tornaria uma cidade sem essência, sem alma, por conseguinte, o esta-

do de Sergipe e o Brasil ficariam mais “pobres”.

 

 

 

 

 

 

Informações dadas por: MARIA JOSÉ SOUZA

Data: 28 DE ABRIL DE 2018

Concordância do PAB: